divórcio ou casamento eterno?...

2006-11-08

A crise do dia a dia

Um dos aspectos que me preocupa na actual situação portuguesa é que as dificuldades económicas nos levam a alimentar mitos e a não tomar as atitudes mais condizentes com a construção de uma sociedade mais justa.
Concretamente
- a ideia que fazemos de Estado, como uma entidade abstracta que nos deve dar todos os serviços que desejamos mas para o qual não temos quaisquer deveres, esquecendo que o dinheiro que o Estado gere é o que sai dos nossos (de todos nós) bolsos;
- a ideia que temos de um igualitarismo, que não dá valor ao mérito e onde todos devem receber o seu vencimento independentemente do modo como trabalham ou não trabalham.
E por outro lado a dificuldade em exercer a cidadania perante um governo nestas circunstâncias: como conciliar a necessidade de denunciar e condenar as decisões injustas e a necessidade de dar um apoio mínimo já que não é possível a nenhum governo tomar decisões difíceis se não tiver o suporte e não sentir um apoio mínimo dos cidadãos?
Gostava de ouvir os meus amigos sobre estas temas.
Escrevi a minha última crónica para o Correio de Coimbra desenvolvendo estes tópicos. Para começar o debate e apresentar a alguém mais interessado os meus argumentos aí lhe deixo o artigo, a que dei o título: "Tempo de crise, tempo de coragem":
Era bom que as crises, das pessoas ou das nações, pudessem terminar pela força da palavra de um ministro ou de um qualquer decreto governamental.
Infelizmente não é assim. E porque não é assim, temos que encontrar soluções ajustadas a estas situações dolorosas e difíceis que, aliás, fazem parte do evoluir da vida e da história.
Os tempos que a nossa sociedade atravessa exigem de todos, governantes e cidadãos, muita coragem, muito discernimento e muito bom senso. Olhando para o nosso quotidiano diria que temos de desmontar um mito, resistir a duas tentações e assumir um compromisso.
Um dos mitos mais perigosos para um bom exercício da cidadania é a ideia que muitos têm do Estado: uma entidade que paira sobre a sociedade e cuja função é pagar os ordenados aos seus funcionários e assegurar a saúde, educação, transportes, segurança social a todos os cidadãos e que, para estes serviços, dispõe de fundos próprios, uma espécie de mina de ouro sem fundo que só a má gestão dos governantes impede de cumprir a sua função. Temos muita dificuldade em interiorizar que o dinheiro, de que o Estado dispõe, lhe é dado por nós, os cidadãos que pagam os seus impostos (porque há cidadãos que procuram fugir a esse dever moral e cívico). Olha a novidade, dir-me-ão. Teoricamente talvez a maioria o saiba, mas a sua prática desmente que realmente acreditem nisto ou até que o reconheçam.
As duas tentações que teremos de evitar prendem-se com a ideia que temos de comunidade e de igualdade. A (nossa) sociedade não pode ser apenas uma entidade jurídica com normas mais ou menos formais, mas "deve ser considerada, antes de tudo, como uma realidade de ordem primacialmente espiritual" (PT 36). A preocupação não pode esgotar-se na atenção aos interesses pessoais ou grupais, mas em estabelecer relações entre as pessoas e os grupos baseadas na verdade, justiça, amor e liberdade (PT 35). Daqui decorrem para os cidadãos obrigações de intercomunicação de bens e dons, resultante da reciprocidade de direitos e deveres, de participação crítica e responsável, pois a vida em sociedade exige a colaboração de todos, e de solidariedade efectiva e honesta.
Um slogan muito batido é o de “a trabalho igual, salário igual”. Nisto estaremos todos de acordo. O problema é que o dito slogan objectivamente quer dizer “a função igual, salário igual”, o que altera substancialmente o seu significado. Porque se é justo que o trabalho igual seja igualmente remunerado, já não é tão claro para a função igual remuneração igual. Todos sabemos que na mesma função há os que assumem a sua tarefa com dedicação, criatividade e capacidade de decisão, os que a assumem apenas com dedicação, os que fazem o indispensável para “não dar muito nas vistas” e até os que não fazem praticamente nada. Daí a reacção tão pronta e violenta à ideia da avaliação (ignoro o argumento clássico de que pode ser mal realizada, já que por esta ordem de ideias nunca se poderia tomar nenhuma decisão pois todas incorporam em si a possibilidade de algum aspecto perverso, que o só os ajustamentos futuros irão rectificando). Se todos fossem cumpridores, por que haveriam de temer-se a avaliação?
Finalmente os tempos de crise exigem uma grande dose de coragem: dos governantes, e dos cidadãos. Aos governantes pede-se que definam políticas capazes de ajudar a sair da crise, saibam resistir às inevitáveis “manifestações de rua” corporativistas, pois as dificuldades sempre criam descontentamento, e dêem prioridade absoluta ao cumprimento da justiça social, com uma especial atenção à pessoas e às regiões mais desfavorecidos. Aos cidadãos pede-se a coragem de não atirarem para os outros o ónus de uma crise, de que todos somos responsáveis (é bom não o esquecer) e que tem que ser distribuída proporcionalmente por todos, pois somos interdependentes e solidários. Mas também devem ter a capacidade de discernimento no sentido de, sem deixarem de estar atentos e de denunciar com veemência às más decisões governativas, serem capazes de perceber as linhas de fundo e, se for caso disso, dar um suporte crítico a quem tem de governar. Pois é absolutamente impossível tomar decisões, muitas delas difíceis, se os governantes não sentirem um mínimo de apoio e de solidariedade nacionais.
Este exercício de discernimento exige coragem mas também informação fidedigna. Infelizmente, demasiadas vezes, nem o governo nem as oposições nem a comunicação social têm sido suficientemente esclarecedores, mais preocupados em destacar aspectos secundários e até insignificantes ou manipular as questões com vista à obtenção de dividendos particulares. Este é também um exercício muito exigente porque, utilizando duas imagens populares, é preciso não confundir a árvore com a floresta nem deitar fora a criança com a água do banho.

1 Comentários:

Anonymous ângela disse...

Se estamos em tempo de crise, não estamos seguramente em tempo de coragem. Diria eu que vivemos todos como resignados, significando com isto o que de mais negativo se pode encontrar no dicionário sobre este adjectivo. Dizes bem quando a maioria dos cidadãos se refere a "eles" como Estado (querendo dizer Governo). De facto o Estado é a Nação e nesta Nação,a maioria dos seus cidadãos ainda desconhece os seus deveres mas, curiosamente, também os seus direitos. Normalmente insugimo-nos porque os nossos "direitos" foram violados sem muita consciência do seu verdadeiro conteúdo.Falta-nos a dimensão de Pátria, sem que as minhas palavras tenham qualquer sentido partidário e muito menos político. Talvez ainda tenhamos que nos "alfabetizar" e saber tomar uma atitude desapaixonada de cidadania que nos tem faltado como povo.

9/11/06 13:30

 

Enviar um comentário

<< Home